Crise e Oportunidade - por Valmira Fernandes

Crise e Oportunidade - por Valmira Fernandes

Os chineses usam a mesma palavra para as duas coisas. Para dizer que sempre que surge uma crise, as oportunidades vêm junto com ela. 

As pessoas não vão deixar de comer, se vestir, se reunir com as famílias e amigos, porque a agência nos rebaixou. Não somos bons pagadores, é o aceno que fazem. Os especuladores não vão perder tempo. Se mandam com seu dinheiro e correm para comprar papéis que rendem mais. Eles vivem para isso. Já aqueles que acreditam que essa é apenas mais uma crise e sairemos dela, como saímos de tantas desde 1500, deixam seu dinheiro bem aplicado a médio e longo prazos. Acreditam. 

A Terra já enfrentou duas guerras mundiais, onde morreram milhões de pessoas. Mas, as que ficaram, tão logo assinadas as rendições, começaram a reconstruir suas casas, seus parques, seu comércio, plantações e fontes de água potável para criar seus filhos. 

Ainda nos lembramos dos horrores, mas temos certeza de que a terceira guerra não vai acontecer. Se houvesse, não teríamos vencidos e vencedores. Todos seriam vencidos. 



O que precisaremos agora é respirar fundo e ter coragem. Temos capacidade de voltar a viver bem. A inflação que já bateu os 240% ao ano, hoje está alta mas suportável, se ajudarmos a baixá-la pesquisando onde se vende mais barato. Já que sabemos que os supermercados estão se aproveitando de nossa angústia, então que tal voltar aos mercados onde cada banca compete com a do lado? Pode ser dois reais, ou cinco, mas no fim da feira somos capazes de ver que compramos muito mais coisas do que pagando o luxo que os supermercados impõe aos preços por tudo: ar condicionado - coisas embaladas - guardas de prevenção de perdas - etiquetas de leitura escaneada - promoções que nem sempre são pro, mas muitas vezes contra-moções. Bem mais caras. 

Falem com os familiares para economizar água, luz, telefone e o que for possível. Sem sacrifícios. Isso que passamos é difícil, mas não é uma guerra. É uma crise. Não uma marolinha, nem um tsunami. Uma crise. Somos maiores do que ela. Além de tudo, somos filhos de Deus, do Criador, da Misericórdia Divina. 

Ele está vendo tudo que se passa. E a nossa Fé pode remover essa montanha. É grande o suficiente para isso. Amén.

 

Os ideogramas chineses para crise e oportunidade são os mesmos, ei-los aí:  Que além de ver, sejamos como o antigo ditado: vivendo e aprendendo.

Valmira Gonçalves Fernandes

João Pessoa / PB

 

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais) • estas plantas são punk! - por Telmo Focht

Você já ouviu falar nas PANC? Apesar de ter a mesma pronúncia, nada tem a vem com os punks, movimento...

Se você não parar com isso vai apanhar... • Parte VII • Conclusão - por Thainá Rocha

Sobre os Castigos Físicos Os castigos físicos são o principal exemplo de castigos para fazer sofrer. Segundo uma pesquisa realizada em...

“Eu nasci há dez mil anos atrás...” - por Aline Aguiar

Salve, salve, nosso querido Raul! A redundância na frase acima é um vício de linguagem comumente utilizado em nosso dia...

Nem é do Renato - por Franco Vasconcellos

Recebi, em casa, numa dessas noites de frio, oito ou nove adolescentes. Me enlouqueceram durante a semana e organizaram uma...

Construção verde · Um novo olhar, uma nova forma de viver - por Alejandro Gimer

A construção verde não é somente uma forma de arquitetura. Ela vai além... parte da reflexão, da mudança do olhar...

Lixo ou adubo? - por Celina Valderez

Olá! Você já parou para observar que boa parte do ‘lixo’ produzido em sua casa é orgânico? Cascas de frutas e...

Selo Scream&Yell lança tributo à música instrumental

Sem Palavras reúne 10 artistas de estilos diferentes para reinterpretar, em versões instrumentais, canções de Black Sabbath, Rolling Stones e...

As praias de água doce - por Elena Cárdenas

“Se estamos no verão...”, é parte da letra da música “Cantada”, de Adriana Calcanhotto. No outro lado do Atlântico, estamos...

Sem água, luz ou wi-fi - por Franco Vasconcellos

Abrir a torneira. Acender uma lâmpada. Tão automático quanto piscar os olhos. E tão comum quanto eu estar aqui te...

Carnaval? Não, obrigada. - por Fabiana Souza

Quem tem um pouco mais de lucidez e tranquilidade na alma se angustia quando chega o Carnaval. A folia, forçada...

Patrocinadores da cultura