Lixaço - por Rafael Sanches Souza

Lixaço - por Rafael Sanches Souza

Um dos conceitos que mais me marcou quando li 1984, do George Orwell, foi o do uso da guerra, que eu vou chamar aqui de Dissipação Energética. No livro, os governantes adotam a prática da guerra como estratégia para consumir o dinheiro "excedente" da sociedade, que nada mais é do que um excedente energético. Observei uma estratégia similar na Oficina de Carrinhos de Rolimã em 2011, quando orientamos os participantes da oficina a LIXAREM AÇO para diminuir o diâmetro dos eixos até que entrassem os rolimãs.

O contexto era de uma primeira vez que estudantes de Engenharia, sem experiência pedagógica prévia nenhuma, tentavam desesperadamente conduzir atividade para crianças que, por definição, possuem MUITA energia e criatividade para dissipá-la (desde martelos voadores ao uso de papel higiênico como serpentina de carnaval). Dadas as circunstâncias, nossa solução foi bastante adequada: aqueles que possuíam energia sobrando se aquietaram e conseguimos terminar a proposta sem grandes incidentes.



No entanto, se nós adotássemos esta mesma estratégia como política para as oficinas subsequentes, seria bastante incosequente - e até anti-ético - da nossa parte, pois existem maneiras muito mais "produtivas" de se dispersar esta energia que podem ser elaboradas durante o projeto da oficina. Voltando à nossa sociedade, houve um tempo que a estratégia da guerra era a política vigente e acredito que por motivos bastante análogos aos observados na Oficina de Carrinhos de Rolimã.

Hoje ainda existe guerra, mas não é mais a política generalizada. Qual(is) é(são) então nossa(s) política(s) de Dissipação Energética vigente(s)? Acredito que o consumismo seja uma resposta bastante promissora. Nós compramos, descartamos, reciclamos, comparamos... enfim. Talvez seja difícil se afastar o suficiente para enxergar friamente o quadro em que estamos inseridos. De qualquer forma, o que podemos fazer? Talvez um bom passo seria se identificar como ator nesta cena. Quem somos nós? A criança lixando o aço, ou o oficineiro inexperiente?

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Golfe - por Amanda Pessôa

Você sabia? Depois de 112 anos ausente das Olímpiadas o Golfe está de volta. O esporte, que estreou na Olímpiada...

Turismo natural como vocação serrana - por Karine Klein

As opções de lazer natural são muito procuradas aqui em São Francisco de Paula, já que a natureza presenteou esta...

O que é a Macela?

No Rio Grande do Sul, existe a tradição de colher a marcela na sexta-feira Santa antes do nascer do Sol...

Rincão Poético: Árvore Frondosa - por Iva da Silva

Árvores, ramos... Poetas, livros... Ramos carregados de folhas. Livros cheios de versos. Folhas, oxigênio do ar. Versos, palavras ao vento. Oxigênio, suporte do...

Ginástica Rítmica - por Amanda Pessôa

As Olimpíadas estão chegando, e muitos esportes que fazem parte desse belo evento não são muito conhecidos pelas pessoas por...

Porque gritamos com nossos filhos e alunos? - por Mercedes Sanchez

Mesmo a pessoa mais paciente, calma e tranquila perdeu, em algum momento, o controle ante um comportamento indesejado de uma...

Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Quando eu era criança, nossa família vivia num sítio. Década de 1930 a 1950, em Gramado. Em 1930, meus pais...

A Fênix Vermelha e a Prosperidade - por Fabiana Souza

A proporção das formas ideais, representada pelos quatro animais sagrados da cultura chinesa, gera a perfeita interação entre as energias...

Quando a escola é lugar de alegria - Por Karine Klein

Castelo Branco promove Festa de Dia das Crianças e dá exemplo de superação   Outubro sempre é um mês marcado pelas comemorações...

Sobre o filtro solar na maquiagem - por Giulia Aimi

Nosso rosto é a parte do corpo que fica mais exposta a todos os tipos de "efeitos" que estão no...

Patrocinadores da cultura