Visita pelo mundo Maia - por Daniel Slomp

Visita pelo mundo Maia - por Daniel Slomp

Ao pensarmos no México logo vem à mente tequila, sombreros, fiestas coloridas, Chaves & Chapolin e desertos áridos, contudo se teu destino é a Península de Yucatán encontrarás outros elementos dessa cultura. Em primeiro lugar é a região florestal mexicana, equivalente a Amazônia, e aonde surgiu, desenvolveu-se e ruiu a civilização Maia, uma das sociedades mais avançadas no conhecimento arquitetônico, astronômico, artístico e da língua escrita.

Ruínas no meio da floresta

Estive lá em 2012, ano em que terminava o ciclo do calendário Maia, e pude conhecer um pouco da cultura e crenças em torno dessa data. Fiz um roteiro que priorizava a visita às ruínas Maias e comecei por Palenque, que está coberta pela floresta e nela pude observar bem essa questão do abandono dessas cidades e da natureza retomando seu espaço por entre as antigas construções.

Altar em Mosaico, Valladolid - Yucatan

Depois fui para Campeche, uma colorida e charmosa cidade estilo colonial, cuja história está ligada a conflitos com piratas, onde visitei Edzná com seu impressionante edifício de 5 pisos.

A colonial e colorida Campeche

De lá, segui para a pacata Valladolid, cidade aconchegante, famosa pelo cacau, que serve de base para visitar os cenotes da região, que são “cavernas” aonde se pode desfrutar das águas subterrâneas, e a Chichén Itzá, principal cidade Maia, onde está o Templo de Kukulcán, em honra ao Deus "Serpente Emplumada" e outras construções preservadas que contam bem a história desse povo.

El Caracol - Observatório Astronómico de Chichén Itzá

Minha viagem terminou em Cancún, maior cidade turística da região, na qual as praias e a diversão noturna são os grandes atrativos, como o Coco Bongo, com seu divertidíssimo espetáculo noturno, no entanto não se pode deixar de visitar as ruínas de Tulum e os parques temáticos, como Xel-Há, que fica no encontro de um rio com o mar, criando um ambiente maravilhoso, no qual desfrutei de muita diversão e contato com a natureza.

Criadouro de Manatee ou peixe-boi (Trichechus trichechidae), em Xel-Há

 Daniel Vilasboas Slomp

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Cafeína - por Mairan Carniel Beren

Um vício, talvez mais que isso Não importa maldade pro coração Taquicardia imponente, Amarelados dentes estridentes Apesar de lindos sorrisos...

Yoga na gestação - por Carolina Gatelli

A gravidez pode ser um bom momento para se praticar yoga. Pesquisas médicas apontam benefícios tanto para mãe, quanto para...

1. 7 em ação - por Luciane Scalcon

Aos poucos vamos vivendo e caindo no mundo, no mundo real, que apenas aqueles sonhos de formatura, cursar faculdade, ser...

Uso Correto de MEDICAMENTOS - por Leonel Almeida

Apesar de cada vez mais disponíveis estão sendo corretamente utilizados? Os medicamentos surgiram junto com a medicina tradicional e têm um...

Rincão Poético: No Pomar - por JackMichel

Alegres cantigas evolam deste pomar... numerosos pássaros bicam os frutos... imensas frondes se antolham no percurso... são é o ar...

Sabia que?

... A maior ponte do mundo fica na China e possui 42 km de extensão? A ponte Qingdao Haiwan faz...

Osteoporose • O que é e como evitá-la? - por Karen Gomes Lucena

A osteoporose é uma doença progressiva, caracterizada pela perda de massa óssea e deterioração da microarquitetura do osso, levando à...

A assustadora língua do português - por Franco Vasconcellos

Estava eu a tomar uma chávena de chá, quando avistei na montra de sandes, um de fiambre. Peguei a bicha...

O lobo do homem - por Franco Vasconcellos

Eu queria escrever uma crônica que, agora no final do ano, enchesse teu coração de boas expectativas para o 2016...

Os joelhos da fé - por Laerte Santos

Estou me recuperando de uma segunda paralisia facial em dois anos. Acidentes de percurso dizem alguns. Coisas da vida, dizem...

Patrocinadores da cultura