Amor de Amigo

Amor de Amigo

Durante a segunda guerra mundial, um orfanato de missionários, numa aldeia vietnamita, foi atingido por várias bombas. Através do rádio de uma aldeia vizinha, os habitantes buscaram socorro. Um médico da marinha e uma enfermeira chegaram trazendo apenas maletas de primeiros socorros.
Perceberam que o caso mais grave era o de uma menina. Se não fossem tomadas providências imediatas ela morreria por perda de sangue. Era urgente que se fizesse uma transfusão. Saíram a procura de um doador com o mesmo tipo sanguíneo. Mas como pedir às crianças, já que o médico conhecia apenas algumas palavras em vietnamita e a enfermeira tinha poucas noções de francês?
Usando uma mistura das duas línguas e muita gesticulação, tentaram explicar a situação aos meninos. Então perguntaram se alguém queria doar sangue. A resposta foi um silêncio de olhos arregalados. Finalmente, uma mão levantou-se, timidamente.
- Ah, obrigada - disse a enfermeira em francês. - Como é o seu nome? - Heng, respondeu o garoto.
O deitaram na maca, esfregaram álcool em seu braço e espetaram a agulha na veia. Durante esses procedimentos, Heng ficou calado e imóvel. Passado um momento, deixou escapar um soluço e cobriu depressa o rosto.
- Está doendo? - perguntou o médico. Heng abanou a cabeça. Logo, escapou outro soluço e mais uma vez tentou disfarçar.
Os soluços ocasionais acabaram virando um choro declarado, silencioso. Nesse instante, chegou outra enfermeira que, depois de ouvi-lo, falou com o menino, acalmando-o. Heng parou de chorar e olhou surpreso para a enfermeira. Ela confirmou com a cabeça e uma expressão de alívio estampou-se no rosto do menino. Então ela disse:
- Ele achou que estava morrendo. Entendeu que vocês pediram para dar todo o sangue dele para a menina poder viver.
- E por que ele concordou? Perguntou o médico.
A enfermeira vietnamita repetiu a pergunta, e Heng respondeu simplesmente:
- “Ela é minha amiga.”



Fonte : História do Livro das Virtudes - II, “Um Amor Maior”

• Publicado na Revista Usina da cultura - número 13 - Maio 2014

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Óleo e bueiro não combinam! - por Celina Valderez

Uma pessoa da comunidade, aqui em São Chico, assistiu despejarem óleo de fritura em um bueiro e ficou muito preocupada...

Dúvidas de ortografia - por Aline Aguiar

•Abençõe ou abençoe? A grafia correta é abençoe. •Cabeleireiro ou cabelereiro? A palavra cabeleireiro está ligada à cabeleira e não a...

Livro: Imagens do meu Rio Grande do Sul antigo e seus vizinhos

O livro “Imagens do meu Rio Grande do Sul antigo e seus vizinhos” volume 1 é uma coletânea de mais...

Rincão Poético: Pai um amigo - por Eronilda Cândida Santos Lucena

PAI,UM AMIGO OU CHEFE.   Ser pai é ter responsabilidade  É dividir sonhos e alegrias  Comemorar vitórias e enfrentar derrotas  Sem perder...

Navidad todo el año - por Elena Cárdenas

Ya estamos muy muy próximos a la Navidad, es época de luces, familia y de reencuentros. Este año la banda...

Rincão Poético: Poema Antiquado Sobre Amor Antiquado - por Ana Mitzi

Por onde beijam teus lábios cálidos  Que cauterizaram minha boca rasgada E silenciaram minha alma angustiada? Andam a curar teus amantes esquálidos Enquanto...

O menino que Morava na Nuvem - por Luciana Neves

Livro O Menino que Morava na Nuvem aborda adoção de forma leve. A publicação chega à segunda edição como boa opção para...

Crase - por Aline Aguiar

Está em dúvida em relação ao uso da crase? Seguem algumas dicas práticas que te ajudarão a empregar o acento...

Carlos e Valéria - por Franco Vasconcellos

Era janeiro. As árvores da Júlio de Castilhos ainda mostravam-se verdes. Saímos de casa junto com o caminhão da mudança...

Cataratas do Iguaçú

Texto:Duas amigas.Fotos: Martin St-Amant As Cataratas são uma sucessão de 275 saltos em forma de ferradura que brotam do rio Iguaçu...

Patrocinadores da cultura