Inquietações e questionamentos sobre um dos marcos culturais do Brasil: o futebol - por Rodrigo Koch

Inquietações e questionamentos sobre um dos marcos culturais do Brasil: o futebol - por Rodrigo Koch

Sempre me perguntei porque o futebol ocupa tanto espaço na mídia. Será que não há outra ou outras modalidades esportivas que possam atrair o interesse dos brasileiros? Tenho a sensação de que já há muito espaço para o futebol no universo nacional. Seria interessante uma pluralidade maior na esfera esportiva brasileira, pelo menos no que diz respeito à educação.

Especialmente nas escolas, em espaços e momentos de práticas corporais, observo que o futebol exerce uma condição hegemônica sobre as demais modalidades esportivas. Mesmo que a proposta não seja a prática do futebol em si, os aspectos culturais que envolvem o esporte acabam conduzindo para isso, como por exemplo quando se vai dividir as equipes – sejam estas para outras modalidades como vôlei, handebol, basquete, ou mesmo para um simples “cabo-de-guerra” – é natural que os alunos fiquem separados entre gremistas e colorados, em função dos nossos clubes locais. Em São Paulo, a divisão pode colocar de um lado corintianos e do outro palmeirenses e/ou são-paulinos, assim como no Rio de Janeiro os estudantes podem ser divididos entre flamenguistas e vascaínos, tricolores e botafoguenses. Cada capital, cidade, região ou Estado nacional vai adquirir os contornos clubísticos do futebol local. Portanto, observo uma certa futebolização da cultura, expressando- se nos espaços cotidianos da vida. Talvez a forte presença do futebol no Brasil seja pela simplicidade pela qual foi caracterizada a modalidade por aqui.

O modelo norte-americano das high schools e universidades me parece ser o ideal. Nos Estados Unidos, desde a infância e ao longo
da juventude, os estudantes têm contato com uma gama diversificada de esportes, podendo optar pelo que mais lhes agrada e pelo qual melhor se adaptam. Há, inclusive, incentivo para que isso ocorra. Mas deve haver explicação para o Brasil apresentar esse quadro de uma quase monocultura do futebol. Parece existir no Brasil, assim como em outros países uma futebolização cultural.

Segundo relatos, o futebol teria chegado ao Brasil no final do século XIX na mala de jovens estudantes de famílias de origem europeia e das classes sociais mais favorecidas, que retornavam do velho continente, onde passavam pelas public schools. A ideia era de que o esporte fosse legitimado por aqui como uma prática do que se chamava a ‘elite brasileira’. No entanto, logo teria sido tomado pelos operários, negros recém libertados do regime de escravidão e pelos pobres, que adotaram a modalidade não só como meio de lazer, mas principalmente como trampolim para ascender socialmente. As marcas do futebol, construídas nos mais variados espaços de atuação e com enorme colaboração da mídia, que transforma o esporte em espetáculo, inscrevem-se nas gerações e perduram a vida toda. As relações entre torcedores e clubes transcendem o que se considera aceitável e normatizado. É possível mudar de opinião política, trocar de religião, ou romper o matrimônio quantas vezes for necessário, mas jamais trair seu time de futebol.

Nas últimas décadas a modalidade passou por grandes transformações econômicas e invadiu lares e demais espaços com a participação da mídia, principalmente, através dos canais de televisão pagos. Os reflexos na escola – ainda tido como o ‘local por excelência da educação’ – são visíveis. O futebol pós-moderno, extremamente midiatizado e espetacularizado, buscando a cada dia novos mercados e clientes, produz novos comportamentos em empresários, dirigentes, atletas, torcedores e aficionados, sejam estes adultos constituídos e estabelecidos economicamente ou recém-nascidos que ainda trilharão seus caminhos identitários
e profissionais. Não há como ir contra e não admitir este processo de futebolização, principalmente, no Brasil, um país com fortes
marcas desta modalidade, até porque estamos diante do maior evento esportivo mundial em território nacional: a Copa do Mundo, que certamente irá gerar novas produtividades deste fenômeno.



• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 08 - Dezembro de 2013.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Ajuste de balanço de brancos - por Silvio Kronbauer

Sabe aquelas imagens de cores quentes, aconchegantes? E aquelas imagens de tons frios, que passam certa melancolia a uma cena?...

Arquitetura em terra - por Alejandro Gimer

A construção verde tem como principal característica utilizar recursos sustentáveis, que não agridam nosso sistema. Além disso, é um investimento...

Dar valor à força da palavra é um processo consciente - por Mercedes Sanchez

Uma vez ouvi dizer: “A palavra é prata e o silêncio é ouro” Pensar antes de falar evitaria muito mal-estar, em...

“Se você não parar com isso vai apanhar...” • Parte VI - por Thainá Rocha

A maior dúvida dos pais é: o que fazer quando, depois de explicar as regras e de mostrar os seus...

Investindo em maquiagem - por Giulia Aimi

Oi! Voltamos a falar sobre como investir em makes! Como na edição passada falei sobre produtos para a pele, nessa...

Lá em Berlim - por Elena Cárdenas

¡Ya ha pasado un mes desde que llegué a Berlín! Un nuevo país, una nueva ciudad, y un nuevo lugar...

Rincão Poético: Uma Linda Estrela - por Eronilda Cândida Lucena

Nossa São Chico Com tanta monstruosidade No domingo vinte de dezembro Acontece a mais absurda crueldade. Toda cidade ficou triste Perplexa...

Bolo de banana (sem farinha, açúcar e leite) - Por Alba Sanchez

Este bolo é delicioso e beeeem fácil de preparar. Uma ótima opção para quem quer um lanche mais leve, nutritivo...

Rincão Poético: O mundo que eu gostaria - por Lidiane Santos

Gostaria de ver o dia amanhecer O sol chegar de mansinho Enquanto as crianças tomam café E aquecem seus coraçõezinhosGostaria...

Luis Fernando Verissimo foi homenageado com o troféu Escritor do Ano e dedicou o prêmio a seu pai

Academia premia melhor poesia e melhor tese acadêmica Em cerimônia que contou com a presença do escritor Luis Fernando Verissimo, a Academia...

Patrocinadores da cultura