Lição de História - por Nathan Camilo

Lição de História - por Nathan Camilo

Já é bastante usual nas cidades a presença de placas de identificação de ruas com uma descrição referente ao indivíduo ou fato “homenageado”. Ainda que venha a ser informação de caráter institucional, não deixa de ser um ponto de partida para algumas reflexões. A começar pelo significado de atribuir ou substituir um determinado nome, o que na maioria das vezes se fez por conveniência política de quem esteve no poder.

Na última incursão a Torres, chamou-me a atenção as novas placas de identificação das ruas, do modelo acima citado. Algo que me deixou curioso foi a descrição que colocariam na avenida de entrada da cidade, cujo nome é o de um personagem controverso da História recente do Brasil. Chegando à cidade, consta na placa: “Avenida Castelo Branco: Presidente do Brasil após o golpe militar de 1964”. Uma das reflexões surgidas com isso foi a possibilidade de se utilizar os nomes das ruas como ponto de partida para iniciativas de educação histórica, que trabalhem os personagens e respectivos contextos históricos.

Assim surgiu-me a seguinte indagação: será que, em vez de alterar por “canetaço” nomes de ruas denominadas com personagens ou eventos representantes de períodos nefastos da História, não seria mais apropriado mantê-los e utilizar as ruas como espaços de educação histórica? Essa ideia de que as ruas só devem ter nomes que sejam motivo de “orgulho” não deixa de ser um resquício de uma visão histórica positivista, pela qual a História foi construída pelos heróis. Tal concepção de heróis e vilões não passa de maniqueísmo. A ação histórica foi realizada pela interação de atores, com suas “virtudes” e “defeitos”, que agiram tendo como pano de fundo um contexto específico em que estavam inseridos.



Ademais, tirar nomes referentes a períodos os quais não queremos que aconteçam novamente não os apaga da História (diga-se de passagem, se começar a tirar todos os nomes controversos, pode-se chegar a um ponto que não vai sobrar nome para contar história). Por outro lado, mantêlos, juntamente com trabalho de educação histórica, pode ser uma maneira de que tais eventos não caiam no esquecimento e que se minimizem as chances de que voltem a ocorrer.


• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 24 - Maio de 2015

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Mastigação é o princípio para uma alimentação saudável! - por Fabíola Frezza Andriola

Quando sentamos a mesa e, sem pressa, saboreamos nossa refeição, acabamos comendo menor quantidade do que quando sentamos à mesa...

Não Sabemos escrever - por Franco Vasconcellos

O ano começou numa sexta-feira. Ao espocar da primeira champanha e retinir das primeiras taças, passaram, finalmente, a vigorar as...

Crase - por Aline Aguiar

Está em dúvida em relação ao uso da crase? Seguem algumas dicas práticas que te ajudarão a empregar o acento...

Rincão Poético: Fim do Carnaval - por Evanise Gonçalves Bossle

Fim de festa, fim de sonhos talvez. Terminado todo o poder da sedução e sem mais esforços, retira a máscara...

Ser águia - Fabrício Safadi

Em nosso nascedouro - este momento irrecuperável e inatingível em sua totalidade -, já devíamos saber que, apesar dos pesares...

“Eu nasci há dez mil anos atrás...” - por Aline Aguiar

Salve, salve, nosso querido Raul! A redundância na frase acima é um vício de linguagem comumente utilizado em nosso dia...

Canoagem Velocidade - por Amanda Pessôa

A canoa é o meio de transporte aquático mais antigo de que se tem conhecimento. A modalidade Olímpica Canoagem de...

Tirei a maquiagem, e agora? - por Giulia Aimi

Há algumas - várias - edições atrás, escrevi sobre como preparar a pele para receber uma maquiagem. Mas como cuidar...

Rincão Poético: Minha terra - por Luciane Scalcon

O chão onde piso reflete a imensidão desta cidade querida. Com sua cultura entra em ação, com sua tranquilidade nos...

Corredores Ecológicos • reconectando a Natureza - por Telmo Focht

No mundo todo, espécies animais e vegetais estão desaparecendo num ritmo muito mais rápido do que a taxa histórica de...

Patrocinadores da cultura