Queijo Serrano: Alimento e tradição - por Sandra Mallmann

Queijo Serrano: Alimento e tradição - por Sandra Mallmann

Os alimentos, assim como a dança, a vestimenta e os costumes, fazem parte da cultura de um povo, identificando-o e distinguindo-o dos demais, gerando o sentimento de territorialidade e pertencimento aos atores sociais. Não adentraremos em questões de formalização de produção, apenas trataremos de questões históricas e culturais.

O queijo serrano ou queijo artesanal serrano, como vem sendo chamado nos últimos anos, é produzido nos Campos de Cima da Serra há mais de 200 anos. A produção do queijo serrano se dá em 11 municípios da Serra Gaúcha e nos Campos de Altitude de Santa Catarina. A produção do queijo é um “saber-fazer” passado de geração em geração, e que contribuiu para a origem os atuais pecuaristas familiares, bovinocultores com propriedades de até 200 hectares (AMBROSINI et al, 2012).



Os pecuaristas familiares surgiram no cenário regional quando ocorreu o desmembramento das sesmarias entre herdeiros (CRUZ et al, 2008), e os trabalhadores das fazendas puderam adquirir suas próprias terras, grande parte com a renda que obtinham da produção e comercialização do queijo serrano (KRONE, 2008). Tendo aumentada sua comercialização na época dos tropeiros, entre 1860 e 1940, o queijo serrano servia como moeda de troca por alimentos não produzidos nas propriedades, como açúcar, farinha de trigo e arroz (MENASCHE; KRONE, 2007).

Desde então, segue sendo importante fonte de renda e de reprodução social dos produtores. Diferentemente dos alimentos altamente processados e industrializados, o que torna o queijo serrano peculiar é a não padronização do produto, pois embora os ingredientes sejam os mesmos, cada produtor tem sua própria “receita” ou modo de fazer, o que contribui para a diversificação do sabor, cor e textura do queijo. Neste caso, é o critério e o paladar do consumidor que determinam a compra.

Sandra Mallmann, graduada no Curso de Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Animais abandonados: seja parte da solução! - por Celina Valderez

A frase "se você não é parte da solução, então é parte do problema" (Eldridge Cleaver) nos obriga a refletir e nos...

Somos todos especiais - por Karine Klein

APAE de São Francisco de Paula, um símbolo de luta pela igualdade no município Dizem que são as nossas diferenças que...

Liquidâmbar– uma árvore embelezando nossas calçadas e nossa cidade - por Telmo Focht

Seu outro nome popular é árvore-do-âmbar. Seu nome científico é Liquidambar styraciflua e sua distribuição original varia dos Estados Unidos...

Atividades - Carimbo de batata

Você está em casa, sem ideias do que fazer? Que tal esse CARIMBO DE BATATA? Com criatividade, dá para inventar...

Lasanha de Berinjela

A lasanha de berinjela é uma excelente opção para quem quer incluir no seu dia a dia mais verduras no...

Visual com Arte: Quero-Quero - por Valda da Silva Soprano

Técnica: Óleo sobre tela {loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article}

Lugar certo - por Franco Vasconcellos

“Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das...

Liberdade interior - por Mercedes Sanchez

Muitas vezes nos imaginamos seres livres e imediatamente relacionamos com a ideia de poder fazer o que quiser e quando...

Rincão Poético: Usina da cultura, fábrica de sonhos - por Valdecir Minuscoli

Usina da cultura Fabrica de sonhos Páginas de aventuras Viagem ao centro da alma Buscando conhecimento Mistura entretenimento Com um...

Entendendo a base - por Giulia Aimi

Após o uso dele do primer passamos a base, que é um dos produtos mais importantes para a maquiagem. Sua...

Patrocinadores da cultura