Liberdade - por Filipe Farinha

Liberdade - por Filipe Farinha

Fiquei em débito com uma amiga em escrever sobre a “liberdade”. Tenho refletido muito sobre. Vejo que muito já se falou, e como todo assunto, abrange muito na sua relatividade, exerço, então, a dificílima tarefa de destacar um ponto para começar. Muitos são incapazes de dissociar o conceito do seu opoente: “prisão”. Por ai, a divagação vai longe… mas, o que me é, mais latente relacionar, é com o “escolher”. A maior liberdade que temos, é a de escolha. A cada momento, a cada situação que nos surge, estamos frente a necessidade de decidir o rumo.

Somos inaptos a definir as coisas que acontecem, mas temos que selecionar o que vamos fazer com esses acontecimentos e como vamos deixar, ou não, influenciarem em nossas vidas. Uma peculiaridade paradoxal: Normalmente nossos desígnios estão presos a várias questões norteadoras, às vezes imperceptíveis, como: as necessidades momentâneas, o prazo intrínseco nessas necessidades, as pessoas envolvidas direta ou indiretamente, e tantos outros assuntos, limitando a aplicação real da liberdade que temos em escolher, nos esquecendo de que estaremos definitivamente presos às consequências desta opção. Sim, tamanho pode ser o nosso desleixo com a responsabilidade consequencial ao deixar de lado a habilidade de refletir sobre os possíveis efeitos, transformando nossa dádiva libertária, em um caminho sem muitas saídas, quando reagimos prontamente. Mas a alternativa ainda está nas nossas mãos. Sei bem como isso pode ser extremamente complicado para muitos, mas creio que é apenas uma questão de exercitar.



Uma coisa com um altíssimo grau de dificuldade, depois que você faz várias vezes já aparenta menos difícil, falo por experiência. Nesse momento voltamos ao verbo “escolher”, pois a grande questão no caso é: desistir ou continuar? Como saber? Se existir uma meta, só há uma maneira de alcançar, mas na ausência de um propósito claro, então é indiferente, quem tem o destino indeterminado, dispensa locomoção. Percebemos aqui que o “querer” é a principal motivação do “escolher”, então posso afirmar que o ponto onde somos livres, é em eleger o que queremos.

Para alcançar nossa aspiração, temos que nos deter em um objetivo. Isso se quisermos ter o que escolhemos, do contrário seria apenas desejo, podemos desejar a vontade, mas isso torna insaciável a mais profunda de nossas ânsias. Apenas desejando, ficamos presos em nós mesmos, sem realizar, estagnados no tédio de apenas existir sem reagir. Consigo identificar algumas pessoas assim… Bom cada um com suas escolhas! Isso é o que define a liberdade, o maior afetado é o próprio indivíduo, se o que for escolhido é desagradável, ainda existe a possibilidade da mudança.

Sim, diferente do que a TV diz, essa hipótese está ao nosso alcance, o tempo todo. Nem sempre parece agradável, mas está lá. Creio que quando identificarmos uma oportunidade de escolha, ponderarmos as consequências, antes de emitir um veredito, abriremos um leque de novas possibilidades em alcançar nossas demandas, sejam elas quais forem. Enquanto houver maneiras, há esperança e isso nos matem vivos. Então desfrute da liberdade. Faça suas escolhas! 

Para mais reflexões como esta, acesse a página  https://www.facebook.com/escroltura/?fref=ts

Filipe Farinha

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Cataratas do Iguaçú

Texto:Duas amigas.Fotos: Martin St-Amant As Cataratas são uma sucessão de 275 saltos em forma de ferradura que brotam do rio Iguaçu...

Vale dos Vinhedos • Delícia de lugar - por Eliane Gunthner

Pensando em temperaturas baixas, vou falar um pouquinho sobre o passeio que fiz ao Vale dos Vinhedos algum tempo atrás...

Atividade - Elefantinho colorido

Que tal brincar de Elefantinho Colorido? Chame seus amigos e boa diversão! Quem joga? Minimamente 3 crianças a partir de 4...

Ambrosia simples - por Rosângela Valim Traslatti 

 Ingredientes:01 Litro de leite 500 g Açúcar 10 Ovos inteiros batidos Modo de preparo:• Fazer um caramelo com o açúcar (nessa...

Gratidão - por Mercedes Sanchez

Gratidão à vida por ter-me permitido viver aprendendo. Aprender que tudo passa abriu minha mente e coração para viver o...

Depois de vários meses - por Cassio Schaefer

Depois de vários meses Depois de vários meses uma borboleta repousa no ralo do chuveiro no bosque do asilo folhas e bancos...

Descriminar x Discriminar - por Aline Aguiar

Descriminar significa liberar, inocentar. Discriminar significa distinguir, separar. Veja a diferença: Certos governos pensam em descriminar o uso de alguns medicamentos. Discriminam...

Erótica é a alma - por Fabíola Simões

Adélia Prado certa vez escreveu: “Erótica é a alma”. Além de poética, a frase é redentora, pois alivia o peso...

Livro - Barba ensopada de sangue - por Daniel Galera

Um professor busca refúgio em Garopaba, após a morte do pai, mergulhando em um isolamento geográfico e psicológico. Ao mesmo...

Rincão Poético: Eu não tenho preconceito - por Luana Oliveira Barcelos

Foto: Cordéis alunos 3º ano C, EEEF Antônio Fco da Costa Lisboa Eu não tenho preconceito Quem tem eu não sei...

Patrocinadores da cultura