Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

A educação como fenômeno social, em sua origem, sua trajetória histórica e sua concepção mais simples, foi e ainda é essencialmente percebida como uma via de mão única que flui dos mais velhos aos mais jovens. Se observarmos, veremos que intencionalmente e necessariamente, tanto em suas instâncias informais (a família), como formais (a rede escolar), os mais velhos educam os mais jovens, os adultos educam as crianças. Mas cuidado, há uma diferença entre educação e aprendizagem. Como adultos, por certo aprendemos com as crianças, mas raramente podemos afirmar que elas nos educam. Trata-se de uma correlação básica entre a idade e a sabedoria que acompanha a curva da vida. E isso acontece até um determinado ponto na relação entre o educador e o educando, onde essa via começa a se desfazer tornando-se um campo movimentado de desconstrução e reconstrução do saber. Arrisco estimar que essa transformação se inicia imperceptível com a abstração do pensamento na infância, se consolida de forma clara na adolescência e se estabiliza na idade adulta: aquele ponto em que está incerto quem educa quem. Mas isso não significa que a educação para.

  

Em sua etimologia, educação significa erguer ao conhecimento, levar à intelectualidade (com crase), e é muito natural que seja assim. Afinal, quanto mais anos de experiência na vida, quanto mais anos de reflexão e indagação sobre as coisas que nos acontecem, mais diversas e substanciadas passam a ser as respostas que compartilhamos. Adicione a este fato o universo em rápida expansão de conhecimento, e agora ainda por cima um universo acessível há um click de distância, temos que a educação não escolar, esta entre adultos, precisa ser melhor formulada. 



Não poderia ser diferente com a educação ambiental. Por isso, como ecologistas, ambientalistas, educadores, precisamos estar atentos que a educação ambiental não é, nem deveria ser igual ao longo da idade. Não estou me referindo meramente a conteúdo e/ou à metodologia. Estou me referindo ao paradigma. Precisamos a educação ambiental UNS DOS OUTROS. Pare e pense agora sobre isso porque é a parte mais importante do texto. O empreendedor que busca licenciamento ambiental tem muito a dizer. O licenciador, ainda mais. O administrador dos recursos públicos não sabe nem por onde começar. E assim a nuvem de argumentos e indagações cresce exponencialmente à medida que se adicionam outras instituições e hierarquias intermeadas e sustentadas todas, por conhecimento técnico, político, e de vida.

Quando o assunto é sustentabilidade, todos têm o que dizer. Mas chegamos nisso, nesse momento da história despreparados, sem uma estrutura inteligente e formal para catalizar e facilitar o diálogo construtivo e necessário para que a educação disponível em todos nós flua de forma eficaz. Não estamos tendo nem tempo nem espaço necessários para ouvirmos adequadamente uns aos outros. Precisamos ainda criar esses meios de nos levarmos mais a sério. A educação ambiental não escolar a que me refiro é esta que ainda não criamos, mas que aparece no horizonte como emergencial. 

Este assunto será melhor tratado na terceira edição do curso Gestores Ambientais Comunitários que o Movimento Roessler para a Defesa Ambiental (www.movimentoroessler.org) deverá articular já no primeiro semestre de 2017. 

O Antropoceno, gente, mal começou! Podemos ainda surpreender à Terra e a nós mesmos com ele, mas para isso precisaremos nos educar melhor.

Fernando J. Soares

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Construções tridimensionais com “palitos de dente”

Olha que atividade legal de fazer em casa!!! Você vai precisar apenas de massinha colorida e palitos de dente. Além dos...

Previsões para 2017 - por Fabiana Souza

De acordo com o calendário lunar chinês, o Ano do Galo de Fogo Yin tem início no dia 27 de...

O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares • Ransom Riggs - por Isabela Sanchez

Jacob Portman é um garoto que desde pequeno sonha acordado com as histórias de infância de seu avô, mas a...

Bariloche: Diversão e cultura abaixo de zero - por Gilmar Hinchinck

Nas minhas idas e vindas pela nossa formidável América do Sul, não poderia deixar de conhecer este lugar magnífico chamado...

Campos de Cima da Serra – um lugar para ver e se encantar - por Telmo Focht

Esta região está situada no nordeste do Rio Grande do Sul, em altitudes entre 900 metros, a oeste, e 1.200...

É tempo de ouvidos ecléticos - por Karine Klein

A terra do Bugio e da música tradicionalista se abre para novos gêneros e estilos Nascedouro do tradicional festival que carrega...

Tardígrados - superorganismos - por Telmo Focht

Seu nome tem origem no latim e quer dizer “quem anda devagar”. Pouco se sabe sobre sua evolução, o que...

Kpop - Mistura de estilos

Texto: Tânia Quadros Conheça o ritmo que virou febre entre os jovens coreanos e que tem se espalhado pelo mundo, através...

Yoga na gestação - por Carolina Gatelli

A gravidez pode ser um bom momento para se praticar yoga. Pesquisas médicas apontam benefícios tanto para mãe, quanto para...

Cupcake de Pinhão

Rendimento: 7 unidadesIngredientes: • Massa1 xícara (chá) de farinha de trigo 1 xícara (chá) de pinhão cozido e moído 1/2 xícara...

Patrocinadores da cultura